Warning: php_uname() has been disabled for security reasons in D:\http\respirareviver\web\wp-content\plugins\magic-fields-2\mf_extra.php on line 39 ABRAF - Associação Brasileira de Amigos e Familiares de Portadores de HIPERTENSÃO ARTERIAL PULMONA

Vanessa Zagato


Me chamo Vanessa, moro em Botucatu, interior de São Paulo, tenho 33 anos, sou casada, e tenho Hipertensão Pulmonar secundária há 28 anos, por um erro médico. Minha mãe percebeu que não estava nada bem: quando eu tentava mamar, cansava muito e ficava cianótica, e ela decidiu procurar ajuda especializada. Mas eram tantos os cuidados que, certo dia, chegamos ao consultório médico e ele deu a triste noticia que já não daria mais pra operar a CIV (comunicação interventricular), pois eu já estava com hipertensão pulmonar.

vanessaDesde então recorremos a muitos lugares pra ver se teria como reverter a situação: passei por muitos centros especializados e fui acompanhada quase que a vida toda no Hospital do Coração, mas sempre apenas com tratamentos que minha idade permitia.

No ano de 1999, surgiu uma esperança no fim do túnel: fui encaminhada para um hospital no interior de Curitiba/PR, onde estavam fazendo uma cirurgia de cerclagem pulmonar. Então fomos pra lá e fiz a cirurgia, mas quase morri, pois meu pós-operatório foi muito difícil. Eu passei muito mal e achavam que eu não ia resistir.

Deus segurou na minha mão e consegui me recuperar com o acompanhamento pós-cirúrgico, os resultados eram ótimos, pois a pressão do pulmão estava baixando e com isso daria pra fechar a CIV. Passados os meses, anos, a pressão parou de baixar e o que conseguimos baixar não era o esperado.

Minha luta continuou. Em 2011 entrei na fila do transplante duplo (coração e pulmão), mesmo sabendo que pra acontecer isso teria que ser um milagre. Fiquei alguns meses, certo dia fui informada que meu exame estava dentro do esperado e que eu poderia sair da fila, fiz isso muito feliz. Continuei com os tratamentos em casa, com oxigênio e medicamentos.

Tinha uma vida praticamente normal, dentro dos meus limites, mas sempre trabalhei, cuidei de casa. Mesmo assim não me sentia bem… Havia dias que acordava péssima, não queria levantar da cama de tanta canseira, mesmo fazendo tudo corretamente, dentro das minhas limitações sempre. Então comecei a procurar alguma esperança na internet, algum medicamento novo, algum tratamento diferente, enfim, algo que pudesse tentar diminuir o cansaço, para os dias serem melhores.

Depois de muita busca, achei um anjo chamado Dra Gisela Meyer de Porto Alegre/RS, na internet, que me deu as esperanças que estava procurando. Em março/16 fomos pra consulta e ela me receitou um novo tratamento que é bem difícil de adaptar. Passo muito mal, com muitas dores na cabeça, estômago embrulhado, e todos os efeitos colaterais possíveis, mas, mesmo assim, faço tudo corretamente, pois é minha nova esperança de vida. Tive que me afastar do meu trabalho, ficar em casa e fazer o tratamento certinho.

Estou feliz, pois agora estou vermelha e não mais roxa…rsrs…passo um pó e está tudo certo.

Estou bem melhor e já me acostumando com as nebulizações feitas 5 vezes por dia em horas marcadas.

Quero agradecer a Deus por me permitir respirar melhor a cada dia, à minha mãe que corre comigo a cada tosse diferente, ao meu irmão, à minha tia, ao meu marido que em 2010 entrou na minha vida já sabendo cuidar de mim dia após dia, a todos da minha família, meus amigos, que cada um tem um significado importante e sabe estar presente em todos os momentos, sendo eles bons ou ruins.

Obrigada e obrigada… Com fé e esperança vamos vivendo um dia de cada vez!